Cinco da Tarde

Texto baseado em Mateus 20.1-34


Um certo fazendeiro precisava de trabalhadores.
Às seis da manhã, escolheu alguns homens, combinou o salário e enviou-os ao campo. Às nove, o fazendeiro voltou à agência de emprego e novamente escolheu mais alguns. Voltou ao meio-dia, às três da tarde e também as cinco.

O clímax da história é a ira que os trabalhadores de doze horas sentiram quando os outros empregados receberam o mesmo salário.

Quero prender-me a uma cena muitas vezes esquecida nesta história: a escolha. Você consegue vê-la? Ela aconteceu ás nove horas, ao meio dia, às três da tarde. Porém, mais importante ainda, aconteceu às cinco.

Cinco da tarde. ora essa! o que um trabalhador pode ter para fazer no campo às cinco da tarde? Os melhores  já se foram. Os trabalhadores medíocres foram almoçar. A última leva foi às três. Que tipo de trabalhador restou para as cinco horas?
O dia todo havia sido desperdiçado. Eles não eram experientes. Não haviam sido treinados. Nem educados. Ficavam pendurados na escada com uma só mão. Absolutamente dependentes de um patrão bondoso que pudesse lhes dar uma oportunidade que não mereciam. Nós também éramos assim. Para não ficarmos muito convencidos, é bom aceitarmos o conselho de Paulo e olharmos para o que éramos quando Deus no chamou. Você se lembra?

Alguns de nós éramos refinados e inteligentes, porém frágeis como papel. Outros nem tentavam esconder o desespero - bebidas, drogas, crimes, tráfico. A vida era apenas procura de uma paixão. Procurávamos um tesouro escondido em um cofre vazio em um precipício.
Lembra-se de como você se sentia? Lembra-se do suor na testa e do vazio na alma? Lembra-se de como tentou esconder a solidão até que esta se tornou maior do que você, e a partir de então você tentou apenas sobreviver?
Pense por alguns momentos neste retrato. Agora, responda: porque Ele escolher você? Por que Ele me escolheu? Sinceramente, por quê? De que Ele precisa em nós?
Inteligência? Por alguns minutos você é capaz de achar, sinceramente, que temos - ou algum dia poderemos ter - um pensamento que Ele não teve?

Força de vontade? Posso até pensar nesta ideia. Alguns são suficientemente teimosos para caminhar sobre as águas se pensarem que para isto foram chamados... Mas, pensar que o Reino de Deus teria se acabado sem nossa determinação?

E quando ao dinheiro? Chegamos ao Reino com aquele pouco que economizamos. Talvez seja por isto que fomos escolhidos. Talvez o criados do céu e da terra pudesse usar um pouco do nosso dinheiro. Talvez o Dono do ar que respiramos, de cada pessoa, e o Autor dessa história estivesse com pouco capital, visse nossa assinatura e...
Entendeu a ideia?
Fomos escolhidos pela mesma razão dos trabalhadores das cinco horas. Você e eu. Somos os trabalhadores das cinco.

Lá estávamos nós, nos debruçando na cerca do pomar, fumando cigarros que não tínhamos dinheiro para comprar, apostando cervejas que  nunca teríamos ou  jogando palitinho. Trabalhadores imigrantes sem emprego e sem futuro. No braço, uma tatuagem trazia o nome de uma mulher. Devíamos ter desistido e ido para casa depois do apito da hora do almoço, mas casa é apenas um quarto em uma pensão com uma esposa cuja primeira pergunta será: - Conseguiu alguma coisa ou não?
Então, só resta esperar. O extremamente pouco ou o tarde demais.

E Jesus? Bem, Jesus é o homem da "pick-up" preta que é dono das terras na colina. É o homem que nos viu enquanto dirigia e levantava a sua poeira. Ele parou e voltou até onde estávamos.

É aquele sobre quem vocêe vai falar com sua esposa hoje à noite quando entrar no armazém com moedas tilintado no bolso. - Nunca vimos esse homem antes. Ele simplesmente parou, abaixou o vidro do carro e perguntou se queríamos trabalho. Estava quase no fim do expediente, mas ele disse que tinha um trabalho que não podei esperar. Juro, Marta, só trabalhei uma hora e assim mesmo ele me pagou o dia todo... Não, não sei o nome. Claro que vou descobrir. É bom demais para ser verdade, aquele homem.

Por que Ele escolheu você?

Por que Ele quis. Afinal de contas, você é dEle. Ele fez você. Ele levou-o para casa. Você lhe pertence. Numa certa vez, Ele bateu no seu ombro e fez com que você se lembrasse disso. Não importa o tempo que você esperou, ou quanto tempo foi desperdiçado, você é dEle e Ele reservou um lugar para você.

And the Angels Were Silent  - Max Lucado