Suspense Global



Por Philip Yancey


O “truque” da fé é acreditar  de ante mão no que só fará sentido no futuro.

Dando uma olhada numa pilha de revistas Time recentemente, fiquei impressionado em como diferente o mundo está comparado com 30 anos atrás. 
Naquele tempo a capa da revista trazia uma reportagem sobre “A vinda da era do gelo”. Hoje lemos sobre aquecimento global e devastadores tsunamis. O mapa mundial aparecia com uma larga faixa vermelha indicando o crescimento do comunismo pela Indochina e Africa. Economistas previam o fim da dominância dos EUA e uma potencia formada pelos EUA , Rússia, China, Japão e Europa. De todos os continentes, a Africa é hoje a que oferece a mais brilhante perspectiva de crescimento.
Em uma revista mais recente, agosto de 2001, li uma devastadora reportagem sobre o caso de uma funcionária da Casa Branca com um membro do Congresso . Procurei em vão pelas palavras Al Qaeda e Osama Bin Laden. De alguma maneira, olhando em retrocesso, todos os eventos políticos na minha vida, incluindo  a guerra contra o terrorismo e o fim da guerra fria não foram previstos. Ao folhear essas revistas, tentei me lembrar do sentimento daquela época, quando eu verdadeiramente temia uma guerra nuclear, quando Saddam Hussein era um aliado Americano e o Líbano era o mais perigoso país do Oriente Médio.
Exatamente hoje em dia, considerando a guerra no Iraque, a ascendência da China, a proliferação nuclear do Irã e Coréia do Norte, percebemos que somos incapazes de prever o rumo da história.
Enquanto refletia no nosso pobre registro de previsão de futuro, lembro do fato da Bíblia oferer tantos casos de espera. Abraão esperando seu único filho. Israelitas esperando quatro séculos pelo livramento e Moisés quatro décadas pelo chamado para liderá-los e mais quatro décadas pela Terra Prometida que não chega a tomar posse. Davi esperando em cavernas pela sua coroação. Profetas esperando o comprimento de suas “estranhas” profecias. Maria e José, Ana, Simeão esperando como todos os judeus pelo Messias. Os discípulos esperando impacientemente Jesus agir como o poderoso Messias que tanto esperavam.
E até hoje esperamos. A ameaça nuclear da USSR nunca aconteceu assim como USSR por si mesma. Hoje tememos as “bombas sujas” lançadas por terroristas. Não mais tememos a era glacial, só se o gelo derreter. Um grande terremoto no oceano Índico foi mais destrutivo do que o vírus SARS. Como todas essas crises vão passar? Não sabemos.
As palavras finais de Jesus foram: “Virei em breve” seguida por Amém. Essa oração permanece sem resposta entre uma era da história que vai da sua primeira vinda a terra como bebê e sua segunda como descrito em Apocalipse.
Nos últimos dias, disse Pedro, alguns vão zombar do que foi profetizado: “Cadê essa vinda prometida?. ” Pedro acreditava que o fim de tudo está próximo e depois de dois milênios de espera esses zombadores são maioria.
Na época da segunda guerra mundial, americanos eram mantidos presos em campos Alemães. Escondidos dos guardas, alguns deles contruiram um pequeno rádio e se mantiam atualizados sobre as notícias da guerra, antes mesmo das informações chegarem ao ouvido dos alemães do seu acampamento. Num certo dia, notícias sobre fim do domínio alemão e fim da guerra, chegaram ao ouvido desses americanos.
Por três dias, os prisioneiros eram irreconhecíveis. Cantavam, brincavam com os guardas, riam dos pastores alemães, contavam piadas durante as refeições.
Quando acordaram no quarto dia, descobriram que todos os alemães tinham fugido deixando as portas abertas. O tempo de espera tinha chagado ao fim.

E essa é a pergunta que me faço: Nós como cristãos que vivemos numa sociedade em crise, porque vivemos com tanto medo e ansiedade? Porque nós, como os prisioneiros, não agimos de acordo com as Boas Novas que dizemos que acreditamos? O que é a fé, afinal de contas, senão crer de ante mão no que só fará sentido no futuro?