O que quero ver

  Oi Mel,

    Estive pensando em algumas mensagens que você tem postado e fiquei com vontade de comentar.

   Acho a igreja de nosso tempo muito perdida. Mesmo assim podemos ver a graça de Deus em muitos lugares, sentir sua presença e até ouvir histórias interessantes sobre o mover Dele em pessoas tão diferentes, com teologias tão distintas, até divergentes em alguns casos. Por vezes me pergunto quem está com a razão?

    Longe de mim querer julgar meus irmãos e semear mais discórdia no meio da igreja.
Contudo tenho pensado em algo interessante. A manifestação de Deus não serve como endosso ou garantia de aprovação de alguém ou de algum ministério, está muito mais ligada ao cumprimento de seus propósitos. Visto que encontramos na Bíblia momentos que Ele usou pessoas ímpias e más para fazer valer sua vontade até os chamando de ungidos como fez com o perverso rei Ciro. Por outro lado a Bíblia ensina que a manifestação do poder de Deus é um sinal da chegada do reino de Deus, do governo de Dele.

    Por vezes vemos a manifestação de dons espirituais impressionantes, como a habilidade de pensar e pregar do pr Caio Fábio, de reter conhecimento com tanta sabedoria  e discernimento como do dr Gilberto Pickering, e mesmo manifestações em ambientes de culto, em momentos de oração e louvor. Todavia isso também não garante a ninguém um status de servo intocável do Altíssimo. Por exemplo vemos em êxodo que quando Deus não suportava mais conviver com o pecado do povo de Israel sem que os destruísse, Deus ofereceu a eles um anjo para proteção e a garantia do cumprimento das promessas Dele. Israel teria o sobrenatural e as promessas mas não teriam a comunhão e presença de Deus no meio dele. O pecado não impediria o cumprimento do propósito de Deus

    No  livro O Evangelho Puro e Simples, C. S. Lewis nos traz um ensinamento interessante, ele nos mostra que o diabo, nosso adversário, sempre coloca suas armadilhas aos pares, visto que o ser humano tem a tendência de andar nos extremos. Quando percebemos nossos erros nos dirigimos ao lado oposto para evitar cairmos no mesmo erro, mal sabendo que encontraremos alí a proxíma cilada. Quando falávamos apenas de guerra espiritual e vivíamos num mundo imaginário, desumano e percebemos nosso erro fomos para o outro extremo e deixamos de praticar todas as lições tão duramente aprendidas. Ao percebermos quão fariseus o legalismo havia nos transformado com sua camisa de força cheia de regras e aparências, buscamos refúgio na graça barata, sem compromisso, sem cruz, sem discipulado, onde tudo nos convém. Hoje até os espíritas falam de Jesus, admiram seu amor, sua atenção aos pobres, elogiam as qualidades do Sermão do Monte, e nem por isso são discípulos de Jesus, o evangelho deles e o segundo Alan Kardec. 

     Parece que nos falta uma visão completa da palavra de Deus. O Velho Testamento tem sua importância, ali vemos o caráter de Deus, suas alianças, seu compromisso, dali tiramos tantos princípios para vivermos uma vida que agrade a Ele. Os evangelhos são o coração da Bíblia, onde Jesus é o centro, Ele nos ensina a amar, a servir, é o nosso exemplo, assim como Ele viveu devemos viver também. Mais ainda existe o complemento da palavra, com história, ensino e profecia. Acho que a igreja precisa viver o evangelho de forma integral. Amar é o mais importante, porém não é a unica coisa. A graça é o meio de nos achegarmos a Deus, mas sem a visão do discipulado, da cruz, da auto negação, da compreensão do reino de Deus ela se torna sem efeito. Não dá para nos colocar em primeiro lugar e confiar no perdão e na graça, ou dizer que se fazemos por amor é o que basta. 
    Desculpe me alongar tanto. É que não quero mais ficar admirado apenas pelos milagres e manifestações, não quero seguir pessoas por ver nelas dons maravilhosos, mas quero ver pessoas transformadas por Deus, pessoas quebrantadas diante Dele, quero ver compromisso com o reino mesmo que com prejuízo próprio, quero enxergar antes o fruto do Espírito que seus dons, primeiro a santidade e o caráter que a habilidade de ser usado por Ele. Enfim quero antes ser aprovado para também ser usado por Deus.
     
Abraço, Bruno Costa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário